junho 14, 2010

Abri os olhos e percebi : sou excessivamente eu.
Tenho que me aprender. Moderar-me, dosear-me, não me ser em demasia, para que tudo flua, para que tudo se desenlace e eu me respire.

outubro 27, 2009

Ambiciono-te. Por escrito, na vida, pessoa de pessoas. No extremo incompreendido. Conheço-te. Na impossibilidade do simples, na velocidade de pensamentos, na variedade de impulsos.
Será sempre um jogo até ao final?

agosto 03, 2009

Desligo-me.
Mergulho e encontro-me.
Não sou clara.
Decido partir, recomeçar, onde não me evito (porque não posso), onde espero criar e entrelaçar fios em todos os meus pedaços que me formam por inteiro.
Realinhar ideias, reorganizar realidades.
Explorar o meu mundo de sentidos até onde o escuro inacessível em mim me permitir chegar.

julho 23, 2009

Quero trocar de olhos para ver a realidade, não a minha, a dos outros. A realidade que me prometem existir, mas que deixei de reconhecer há anos...

maio 26, 2009

Sou multiplicação de partes infindas, que me dividem como um todo. Perco-me na equação. Em busca da solução do meu ser, apago e rescrevo, aprendendo-me matematicamente.

abril 12, 2009

Quero mergulhar em ti, decido, escolhendo racionalmente a fantasia. Não vou usar o condicional. Em ti sustenho a respiração e descubro, até que a corrente da verdade inevitável me obrigue a respirar de novo a realidade.

março 22, 2009

Perante a realização que não pertenço, suspiro. Rodeiam-me pensamentos desfasados e descompassados. Pergunto-me. Não me respondo. Não saberia o que dizer.